domingo, 12 de dezembro de 2010

QUE CALOR!!!


Esse tempo quente só nos fez bem.
Aqueceu nossas almas.
Aqueceu nossos corpos.
Voltamos a nos olhar com candura.
Voltamos a nos roçar com quentura.
Fizemos até as pazes!
Voltamos a partilhar nossos braços,
nossas bocas...
Voltamos até a partilhar nossa cama.
Nosso quarto.
O único que tem ar-condicionado.

sábado, 9 de outubro de 2010

Meu Irmão John


Quando eu era mais jovem e usava cabelo comprido, além dos meus inseparáveis óculos, meus amigos me chamavam de John Lennon. Sempre tive muitos apelidos, alguns até indesejáveis, mas este era o meu preferido. Desde pequenos somos acostumados a amar o Beatles e estender este afeto aos seus integrantes. Comigo não foi diferente.
Porém nem tudo foi magia no mundo beatle e o John foi um dos primeiros a esclarecer que somos todos humanos, falhos e defeituosos. Nunca se arvorou ser exemplo de conduta e coerência. Sabemos, através de revelações recentes, que sua busca por sucesso afetou profundamente sua vida familiar e a pressão de ser um superstar o levou a tomar atitudes incompatíveis com o que se enxergava em sua obra.
Nunca cobrei de meus ídolos uma conduta irretocável. Como poderia se minha própria vida pessoal é cheia de falhas? Sempre me identifiquei muito com John. O sonhador, idealista e também o inconseqüente e, às vezes, raivoso.
Gostaria muito de vê-lo com 70 anos. É uma pena que ele não envelheceu. Garanto que seria ainda uma fonte de experiência e sabedoria humana e mundana.
Não passou dos 40, portanto o vejo como um irmão (mais novo, hehehe), mas ainda temos muito que aprender com ele. Aproveitemos...

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Carona


Teu coração generoso
Bate firme num lugar
Onde ninguém vê
Mas todos podem embarcar

Você transita devagar
Pisca os olhos qual faróis
Faz breve pausa para arrastar
Mais um solitário transeunte

Eu também quero uma vaga
Quando teu caminho me cruzar
E então aceite como carona
Mais um coração a palpitar

domingo, 6 de junho de 2010

Fontes de Felicidade


Hoje, muito mais que outrora
necessito encontrar fontes de felicidade
a fazer par com as já desbravadas
pelas trilhas percorridas até então.

Invisível, quase solitário, mas forte
pelas minhas próprias mãos e pernas
enquanto a consciência me sustentar
sentirei a vida que circula neste corpo.

Vivemos e as coisas vão acontecendo
inevitavelmente, quer interfiramos ou não
deixo para lá as queixas pelo que tenho que remediar
e parto a buscar felicidade em novas fontes.

domingo, 9 de maio de 2010

Ode ao Guaraná em Pó


Das mais formosas sementes
Que parecem atentos olhares
És forjado em pó aos milhares
A nos estimular corpo e mente

Tu trazes energia
Aos músculos sem tônus
Impedes que venha o sono
Ao decorrer do dia

Os benefícios dessa planta
Auxiliam muitos machos
Quando caídos e cabisbaixos
É Tua fórmula que os levanta

Em todo solo brotarás
Para meu corpo ser veloz
Esteja sempre dentre nós
Miraculoso Pó de Guaraná !

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Alice in Wonderland (ou no País das Maravilhas)




Estréia hoje a versão de Tim Burton para esse clássico da literatura inglesa escrito por Lewis Carroll. Já foi avisado que há muitas diferenças em relação ao original. No filme Alice não é uma criança e sim uma adolescente que “volta” ao País das Maravilhas e “reencontra” todos os personagens da primeira visita antes de se tornar adulta e deixar de ter a imaginação tão fértil.
É uma história que conhecemos desde criança, mas acho que são poucos os que realmente leram o livro. Resolvi corrigir isso recentemente, antes de saber que Alice voltaria aos cinemas. Encontrei uma edição inglesa de 1947 na casa da minha mãe e resolvi encarar. As ilustrações originais de “Sir” John Tenniel ajudaram nessa viagem lisérgica...
Digo isso porque o Sr. Charles Dodgson (codinome: Lewis Carroll) deve ter tomado um ácido legal para escrever sua fábula. Não é à toa que foi escrita nos anos 60 (1862 he he he...). Além dos recursos imaginativos para criar personagens tão loucos (bem espelhados na sociedade inglesa), o eixo que conduz o livro são os diálogos totalmente sem sentido (nonsense para utilizar o jargão). Alice é uma criança questionadora e deixa muitas vezes seus interlocutores sem saber o que dizer.
Qualquer adaptação cinematográfica que desejasse ser fiel ao original se tornaria um filme “cabeça”. Não há tanta ação ou aventura no País das Maravilhas de Lewis Carroll, mas uma agradável turnê pela loucura e imaginação humanas.
Definitivamente não é uma leitura para crianças. Aos “adultinhos” que quiserem se aventurar, está dada a dica...

sábado, 13 de fevereiro de 2010

Peter Gabriel – 60 anos



Hoje esse homem aí completa 60 aninhos de idade! Para quem não conhece, esse músico inglês há mais de 40 anos faz um trabalho que prima pela qualidade sonora, visual e literária, além de um engajamento coerente e sincero pelos direitos humanos seja em qualquer parte do mundo.
Quem quiser maiores informações, basta dar um “googlada” ou uma “wikipediada” que terá muitos resultados.
O que quero realmente colocar aqui é a importância (pelo menos para mim) de se ter um ídolo. São tantos os que merecem ter esse status em minha vida, inclusive muitos brasileiros, porém vários atributos fazem o Peter estar no topo da minha lista.
Como estou falando do plano humano, “idolatrar” para mim significa “se identificar”, incluindo aí seus defeitos, que ele expõe sem medos em sua obra.
Muitos podem achar isso ridículo e argumentar que ele nem me conhece e que está cheio da grana... não me importo. O que ele oferece aos fãs é algo realmente substancial e edificante.
Mesmo tão distante ele é uma presença virtual em minha vida há quase 30 anos. O sonho de assistir a um show foi realizado em 1993 e ainda tenho a esperança de vê-lo novamente nessa terra tupiniquim que ele diz gostar tanto.
Mas por agora vamos cantar um “parabéns pra você” e soprar as velinhas para o grande “mestre” Peter Gabriel!!

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

SOLIDÃO TOTAL


Acordo numa cama vazia,
Num quarto vazio,
Agora vivo numa casa onde cada aposento está vazio,
Tenho móveis, geladeira e fogão,
Habitando a sós comigo...

Saio para trabalhar,
Vou para um escritório vazio,
Agora estou numa sala onde todas as máquinas funcionam só para mim,
Poucos me vêem durante o dia,
Cada qual tem seu recinto...

Volto para casa,
Encontro o vazio tal qual eu o deixei,
Volto a sentar na beirada da cama vazia,
Abro a porta do armário,
O espelho me duplica,
Só para me perguntar,
Olhando na minha cara,

- Quem sou eu sem a presença do outro?...